vídeos   |   release   |   programa musicar   |   pesquisas   |   agenda  |   contato

 

Rubinho Barsotti

Vídeos

Depoimentos

Entrevista

Biografia

 

Formação

As irmãs de Rubinho Barsotti tocavam piano e uma de suas lembranças musicais mais antigas está ligada ao casamento de uma delas, quando Rubinho tinha um ano e meio ou dois, e seu pai "colocou uma orquestra em casa. Fui dormir e, no dia seguinte, o baterista havia deixado seus instrumentos no porão, e fui lá mexer, só pra ver o que era. Em seguida, comecei a ganhar caixas de bateria de presente, elas vinham da Alemanha para Casa de São Nicolau (loja na Praça do Patriarca, em São Paulo), meu pai as pegava, eu desmontava pra ver como é que era, aquela coisa de criança."

Outra de suas lembranças musicais significativas eram as orquestras da década de 1950 que ouvia, já adolescente, nos bailinhos. "Lembro-me de uma delas, a de Walter Guilherme, da qualJaciro Urban era o primeiro sax alto e dava a contagem para orquestra. Num sábado, eu estava na pracinha da Aclimação, ele passou e falou, ?Rubinho, preciso de você, o baterista não vai poder fazer o baile amanhã no Pacaembu e eu gostaria que você fosse?. Eu falei: ?Mas eu não tenho nem calça comprida, não tenho instrumento, não tenho nada?, mas sabia tudo de cor, todos os arranjos, que eu ouvia ao lado da orquestra. Esse Jaciro Urban foi importante pra mim."

Rubinho Barsotti nunca teve aulas de bateria. "Sou totalmente autodidata. Tentei me aprimorar certa vez com um percussionista da sinfônica, mas ele disse que não podia me dar aula, acho que não queria concorrência. Mas a minha convivência com outros músicos sempre foi boa: aprendi muito com Moacyr Peixoto, pianista que se formou sozinho e que tocava de modo muito natural e espontâneo; Dick Farney, com quem toquei uns cinco ou seis anos e em vários discos; Izzio Gross, que mora na Alemanha, também um tremendo pianista; Rudy Wharton e Ainee Werecke, uma dupla de belgas que viveu aqui em São Paulo; Rudy tocava piano e acordeom, não era acordeom de teclas, era de botões, e Ainee era saxofonista, flautista e clarinetista, uma dupla espetacular. Cheguei a gravar com eles uns doze LPs, lá no Rio de Janeiro."

A formação de Rubinho Barsotti aconteceu simultaneamente à sua profissionalização como músico, na convivência com intérpretes e instrumentistas.

"Essas pessoas foram as que me abriram caminho para um tipo de música que eu não ouvia em minha casa, onde o que se ouvia eram música clássica e os sucessos de Orlando Silva, Carlos Galhardo, Francisco Alves e Nat King Cole, meu favorito, que tocava piano. Toquei com ele quando veio a São Paulo, e também com Oscar Peterson no Teatro Municipal, meus ídolos. Convivi com eles todos. Havia o show do Teatro Record, a boate Dick Farney na Praça Roosevelt - naquele tempo, São Paulo era a Broadway, a rua Major Sertório era a Broadway, havia sete ou oito bares da melhor qualidade, e eu ouvia Teddy Wilson, Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, Tony Bennett."

O músico não costumava tocar enquanto ouvia seus discos preferidos. "Nunca fiz isso, as músicas foram ficando comigo na minha cabeça e no meu coração. Certa vez, já casado, estava sozinho em casa e entrou um amigo, que eu adoro, com a namorada, Toninho José Diaschamava-se ele. Eu estava ouvindo J. S. Bach, essa moça foi para baixo da escada da minha casa, abriu a gaveta do console onde ficava o telefone, escreveu em inglês num papel e me deu. Ali estava escrito: ?Muito obrigada por você ouvir nossas músicas. Estude através delas. Fiquei muito satisfeito de estar perto de você, perto da sua casa?, e a assinatura era de Johann Sebastian Bach, duas assinaturas no papel pra confirmar que era mesmo. Foi uma experiência espiritual maravilhosa. Ouço sua obra até hoje, de preferência em LPs, em que o som é verdadeiro. Sempre ouvi muito, atravessei noites ouvindo discos, até seis, sete da manhã, foi assim que eu aprendi."

Dos músicos com quem conviveu, alguns dos mais importantes para instrumentista que Rubinho Barsotti veio a se tornar foram Nat King Cole, Buddy Rich, Oscar Peterson, Charlie Parker, Teddy Wilson, Moacyr Peixoto, Izzio Gross, Dick Farney, Ainee Werecke e Rudy Wharton.

Fonte: http://www.musicosdobrasil.com.br